Garanhuns, 1º de março de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


Um lugar para a Garanheta

Nos últimos dias começou em Garanhuns uma discussão muito séria sobre o Carnaval fora de época da cidade. Tudo porque um pastor, um tal de Zé da Cruz Credo, disse que a festa era coisa do cão.

E aí logo surgiu um grupo de amigos (agora tem movimento de amigos pra tudo, nessa cidade) da Rui Barbosa que deseja tirar a folia da principal avenida de Heliópolis.

O assunto, como não poderia deixar de acontecer, foi parar nas rádios. Uma zoada dos diabos, com licença do pastor da Cruz.

E agora, para onde vai a garanhagem, essa festa tão boazinha, cheia de meninas boazudas?

Como gosto de carnaval e mais ainda de safadeza e não quero o fim da garanhagem, resolvi logo descobrir um local para a festança, pois quem sabe o prefeito Sirvino lê minha coluna e acata minhas idéias.

Não vejo motivo para tanto aperreio, pois existem vários locais que poderiam sediar a Garanheta.

Uma das opções é fazer o carnaval fora de época na via de acesso do conjunto Bela Vista. Por lá não tem nenhum canteiro para ser danificado e depois os moradores ainda podem ganhar de presente a limpeza do mato da área e o asfalto da estrada. Não seria uma beleza?

Outro lugar supimpa é o Cristo do Magano. Os trios elétricos desfilando a mais de mil metros de altura seria uma tremenda atração turística, além do que, todos os foliões estariam protegidos pelo espírito do espetáculo Jesus, Alegria dos Homens.

Uma terceira alternativa é o Alto do Columinho. Com certeza a festa ali forçaria a prefeitura a dar um jeito na buraqueira e os santos de Pinheiro saíriam do abandono. Podiam até entrar no ritmo de Chiclete Com Banana e Aveia, que pela centésima vez vêm a Garanheta este ano.

Por fim, uma das idéias mais arretadas é fazer a Garanheta no aeroporto de Garanhuns. Como lá só pousa um avião na época das campanhas políticas de governador e presidente, deixaria de ser tão ocioso. Outra coisa: no aeroporto não tem plantas para o povo pisar, não acontece engarrafamento e não há nenhum risco de um dos trios se enganchar nas árvores, como acontece na Rui Barbosa.

Como o nosso campo de pouso (gostaram da frase?) já fica depois de São Pedro, teria maiores possibilidades de atrair os turistas de fora de Jupi, Lajedo, Cachoeirinha, São Caetano e de toda a área de influência da Br-232 duplicada. Um sucesso total, com registro na coluna de João Alberto.

Tenho certeza que escolhido um desses locais a Garanheta não correria o risco de acabar e nossa cidade não incorporaria mais um item à lista do "já teve".

Os donos dos blocos continuariam ganhando dinheiro, as bandas baianas prosseguiriam levando divisas, o prefeito não perderia votos e as meninhas lindas estariam novamente nas ruas, cantando aquelas músicas tão inteligentes e bacanas de todo ano.

Até as empresas de transporte, os taxistas e mototaxistas poderiam faturar mais, com a folia sendo realizada num lugar mais distante.

Por sinal, tenho certeza que novos empreendimentos surgiriam caso a Garanheta fosse para o Aeroporto.

Já temos o Scallas, Executivo, a Pousada do Vale, o Requinte, Excalibur, Lua Nua, Íntimus e o Paraíso. A nova garanhagem faria surgir o motel Inferno Legal, a ser excomungado pelo pastor da Cruz, mas que iria fazer a alegria dos que gostam de dançar, gastar e pecar.

Viva a Garanheta! De preferência em outro local.