Garanhuns, 1º de março de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
ENTREVISTA
 

Sivaldo: candidatura à prefeitura só mais adiante

Filho do ex-vereador Severino Albino, Sivaldo tem apenas 30 anos e está no primeiro mandato. No final do ano passado, mesmo enfrentando 'velhas raposas" da Casa Raimundo de Moraes, venceu a eleição para a Mesa Diretora, ganhando o direito de presidir a Câmara nos próximos dois anos.

Aliado fiel do prefeito Silvino Andrade, desde que assumiu a presidência do Legislativo que o vereador tem tido o seu nome lembrado como uma das opções do grupo governista na disputa da prefeitura, em 2004. Sivaldo, porém, acha cedo para um projeto de tal envergadura. "Eu sonho em ser prefeito, mas acho que isso é um plano para mais adiante", ressalva.

Na entrevista ao editor do Correio, Sivaldo Albino defende a Câmara das críticas de alguns setores da sociedade, anuncia reformas que permitam melhorar o trabalho do vereador e nega que o Legislativo seja subserviente ao Executivo, defendendo um bom relacionamento entre os dois poderes.


CORREIO - Que mudou na Câmara com a saída do vereador João Inocêncio e a sua eleição para dirigir a Casa?

SIVALDO - Nós estamos tentando dar uma nova imagem à Câmara e começamos com a parte administrativa, fazendo várias reformas, melhorando os gabinetes, permitindo que os vereadores tenham melhores condições de trabalho, de desenvolver o seu trabalho junto às comunidades. Temos ainda várias metas no nosso plano de governo para os próximos dois anos e esperamos a cada mês implantar aquilo que nós almejamos. Esperamos assim que no final do mandato possamos executar tudo aquilo que temos em mente, muitas dessas coisas divulgadas em parte pela imprensa local.

CORREIO - Como o Sr. encontrou a Câmara internamente? Qual a real situação da Casa Raimundo de Moraes?

SIVALDO - A situação da Câmara é de uma institução enxuta. Desde quando foi implantada a Lei de Responsabilidade Fiscal e a emenda Amin o então presidente João Inocêncio teve de fazer esse enxugamento, foram necessárias algumas demissões e assim a gente já pegou a direção do Legislativo com uma boa situação e assim temos condições de trabalhar, embora o repasse de recursos não seja o ideal. Mas vamos prosseguir com essa política de reduzir os custos de modo a permitir o pleno funcionamento da Casa.

CORREIO - Na eleição de 2000 houve uma ampla renovação na Câmara de Vereadores. Mas diversos setores hoje criticam o Legislativo e dizem que os novos parlamentares não corresponderam e por isso acreditam numa nova onda de renovação. Como o Sr. se posiciona com relação a essas críticas aos atuais vereadores?

SIVALDO - Algumas críticas, que vêm da população, são inteiramente naturais. Quando você renova uma Câmara em mais de 70%, como aconteceu na última eleição, é gerada uma ansiedade muito grande com relação à atuação dos vereadores. Mas acontece também que pouca gente sabe o papel do vereador. Por isso que nós estamos pensando em implantar um programa para trazer alunos das escolas às reuniões e levar as reuniões também aos bairros. Isso para que as pessoas possam conhecer o trabalho do Legislativo. Eu tenho certeza de que quando a população conhecer melhor o papel do vereador irá valorizar o nosso desempenho e a renovação do próximo ano não será tão grande assim. Existem também críticas à Câmara feitas por ex-vereadores ou pré-candidatos que não podem ser levadas em consideração, pois eles têm interesses políticos e a intenção é simplesmente desgastar os atuais representantes do povo de Garanhuns.

CORREIO - Qual a resposta que o Sr. tem para aqueles que dizem que vereador não trabalha?

SIVALDO - Concordaria com essa frase se ela fosse pronunciada por uma pessoa que acompanhasse de perto o trabalho da Câmara. Se alguém acompanhar de perto a luta de cada vereador com certeza ele não dirá mais uma frase desse tipo.

CORREIO - Qual a relação do Poder Legislativo hoje com o Executivo. Há subserviência em relação ao prefeito?

SIVALDO - O relacionamento que existe é o melhor possível. Eu sempre disse que apesar da independência dos poderes, um precisa do outro. No meu caso o relacionamento está facilitado porque sou amigo particular do prefeito Silvino, sempre nos damos muito bem. Então quando assumimos esta Casa procuramos logo partir para o diálogo, fomos aos secretários e estabelecemos uma maneira de trabalhar todos juntos, unidos, embora cada um defenda a sua tese, o seu ponto de vista. Eu acho que brigas não contribuem nada aos interesses do povo.

CORREIO - Se fala muito em Garanhuns, principalmente por parte da Oposição, em desgaste do Governo Silvino. Existe mesmo esse desgaste todo do prefeito?

SIVALDO - Eu desconheço esse desgaste. Quem fala nisso são os adversários políticos ou alguma parte da população que não concorda com a forma de administrar. Seria bom que os críticos do Governo Silvino fizessem um levantamento de Garanhuns de 15 anos para cá, vendo como foram as administrações anteriores e o que mudou na gestão do atual prefeito. Tenho certeza de que cada político ou cada cidadão que fizer isso de forma honesta não poderá deixar de reconhecer os avanços obtidos pelo prefeito Silvino Andrade. E é bom lembrar que ele ainda tem dois anos de mandato, e certamente nesse tempo ainda fará muito pelo município.

CORREIO - O Sr. foi líder do Governo Silvino na Câmara e agora é o presidente do Legislativo Municipal. Nesse tempo todo tem sido muito fiel ao prefeito. Acredita que essa fidelidade, essa amizade de vocês, pode fazer com que o Sr. se torne uma das opções de Silvino como candidato à prefeitura?

SIVALDO - Quando eu comecei minha campanha para vereador, sempre dizia nos discursos que queria crescer politicamente. E que isso só aconteceria se trabalhasse. Hoje algumas pessoas comentam essa possibilidade de que eu venha a disputar a prefeitura em 2004. Eu sonho um dia ser prefeito, espero que esse sonho se torne realidade, mas não passa pela minha cabeça que isso seja possível no próximo ano. Nosso pensamento é para mais adiante e o prefeito só iria optar por nosso nome se esse fosse um desejo da população. Eu sou candidato à reeleição, e mesmo assim se o povo continuar confiando no meu trabalho. É preciso estar sintonizado com os desejos populares, pois acho que quem está com o povo está com Deus.