Garanhuns, 15 de fevereiro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


Quero ser parasita

Trabalho 12 horas por dia fazendo de tudo um pouco para ver se no fim do mês escapo, mas não tem jeito. Fico devendo ao homem da venda, no bar da esquina e a infeliz da Celpe manda cortar a minha luz por falta de pagamento.

Telefone, não uso Telemá, nem Trim ou Bestepê. Só a Peraí. São os outros, reclamando das caronas que peço para falar com minha avó na Paraíba, minha mãe nos states e minha namorada Viviane, que tá fazendo um mestrado pra manicure no bairro da Mustardinha, no Recife.

As doideiras que escrevo pra esse jornal não me rendem nada, esse besta desse Roberto Almeida não sabe ganhar dinheiro e a gente que ajuda no jornal vive tudo lascado. Os vendedores de anúncios só comem carne de soja, por não ter o dinheiro do bife e os colunistas sobrevivem levando bananas, quando não aparece uma autoridade para nos colocar na justiça.

Diante de tanto sofrimento, e acompanhando corajosamente os noticiários locais, o que dá a notícia primeiro e os que vêm depois, tive de repente uma idéia: também quero ser parasita!

Para quem está por fora e não sabe das presepadas feitas pelo repórter Tiago Salsicha, eu explico: é que um rapaz chamado Giovani Com Amor, segundo o engenheiro João Inocêncio um verdadeiro "aluado", disse na rádio que os vereadores de Garanhuns são uns verdadeiros parasitas, que ganham um bom salário só pra dar título de cidadãos e colocar nomes nas ruas da cidade.

Ora, se esse rapaz tiver razão, eu quero trocar de vida. Chega de vender banana na Ceaga! Não aguento mais oferecer planos de saúde nas repartições públicas! Deus me livre de ser mototaxista! Abominei a experiência de vender cachorro quentee na Oliveira Lima! Cansei de fazer esta coluna e só arranjar inimigos!

A partir do próximo ano, estou em campanha: vou sair de casa em casa prometendo, vou mostrar os dentes e o sorriso branco o tempo todo, vou apertar as mãos dos pobres em cada bairro, serei eu também um candidato à vereança.

Quando me eleger, quero uma secretária boazuda no meu gabinete, uma viagenzinha a Gramado, água mineral Serra Branca, Coca-Cola diet, almoço na picanha do Sargento, carro oficial, casa de praia em Tamandaré e uma rede, que ninguém é de ferro.

Garanhuns, cheguei, sou mais um candidato a parasita!