Garanhuns, 01 de fevereiro de 2003
  Início
  Opinião
  Política
  Cidade
  Geral
  Cultura
  Sociedade
  Entrevista
  Ed. Anteriores
  Expediente
 
COLUNAS
 

HUMOR

Raulzito


Ano Novo

O Ano Novo no Correio só começa em fevereiro. Tudo bem, diria o editor geral, no Brasil 2003 somente chegará pra valer mesmo em março, depois do Carnaval.

Em Garanhuns, apesar da disposição do Correio Sete Colinas, o Ano Novo pode ser demarcado com a realização da Garanheta, em maio.

E enquanto 2003 não chega pra valer nós vamos nos divertindo com as enrolações.

Tem um novo governo na praça, mas nem parece. Em alguns aspectos tá igualzinho ao outro. Só que tiraram o cara de empáfia e o substituíram pelo operário-padrão.

Na terrinha, só da Sirvino. Deixou Ivo, largou Bartolomeu, enganou Arraes, fez Romário de trouxa, chutou Márcio e agora tapiou Tinoco.

Dizem que no fim só vai ficar ele e Aurora, rodeados pelos babões que juntos não somam 100 votos.

Izinha, já arretado, promete em 2004 (2003 ainda nem começou e lá estamos nós no ano da eleição) arrebentar de novo, lascando Sirvino, o padre e até o bispo, se for preciso.

E por falar em padre, tá decidido: o da batina é candidato, foi Deus que mandou.

Tava ele em Roma, estudando, quando o todo poderoso apareceu silenciosamente e ordenou: volte para Garanhuns! Lá só tem peixe traíra e papagaio falador, é preciso fazer umas mudanças.

O de batina fez um DDI e conversou com os beatos. Disse que era preciso botar a tropa na rua, fazer calendários e anunciar a boa nova.

Em setembro, dizem, chega o enviado de Deus, e aí quem sabe começa o ano.

Por enquanto, principalmente na cidade das flores (sem flores) está tudo do mesmo jeito.

Que venha o enviado do senhor, amém.