GERAL

 

Agreste registra 161 assassinatos

Até o fechamento desta edição do Correio Sete Colinas, os municípios do Agreste Meridional tinham registrado 16l assassinatos este ano, uma média de 14,6 crimes cometidos a cada 30 dias. Garanhuns, com uma população de 117 mil habitantes, segundo o último censo do IBGE, foi o município que registrou mais homicídios, um total de 48, o que dá 4.3 assassinatos por mês.

Proporcionalmente, cidades como São João e Capoeiras estão mais violentas do que Garanhuns. Na primeira, com menos de 18 mil habitantes, 12 pessoas foram mortas este ano, enquanto que na segunda, que tem pouco mais de 20 mil moradores, nove crimes foram cometidos. O único município do Agreste Meridional onde não foi registrado homicídio este ano foi Calçado, que por sinal já tem uma tradição de muito tempo de ser um lugar dos mais pacíficos.

Além de Calçado, estão tendo índices baixos de violência, durante ano, os municípios de Terezinha, Paranatama, Palmeirina e Correntes. Os três primeiros registraram apenas um homicídio cada um e o último registrou dois assassinatos. Em Brejão aconteceram três crimes de morte até o último dia 26 de novembro.

Outros lugares que têm tido alto índice de criminalidade são Águas Belas (12 homicídios), Canhotinho (12), São Bento do Una (10), Lajedo (9), Saloá (8) Bom Conselho (7), Jurema (6) e Caetés (5). A situação é mais tranquila em Jupi (4), Angelim (3), Lagoa do Ouro (3), Jucati (3), Iati (3) e Cachoeirinha (3), este último já mais próximo de Caruaru.

A maioria dos assassinatos na região são praticados com arma de fogo, motivados quase sempre por motivos fúteis, como uma discussão no bar ou uma vingança pessoal. A bebida alcóolica, por sinal, está envolvida em mais de 90% dos casos de violência registrados nesta parte do Estado. A polícia nem sempre consegue prender os criminosos, que praticam seus atos e fogem para o Centro Sul. Em alguns casos, ficam por aqui mesmo, zombando da impunidade.