COLUNAS

 

CORREIO POLÍTICO

Roberto Almeida


PREOCUPAÇÃO

Para a maioria o que ficou da visita de Lula ao Agreste foram os discursos emocionantes e as multidões nas ruas de Garanhuns e Caetés. Outros, contudo, se mostram preocupados com a ação da Oposição que praticamente vetou o encontro entre o presidente eleito e o prefeito da cidade.


ABORRECIDO

O prefeito Silvino Andrade só foi ao aeroporto, receber Lula. Como no tumulto generalizado que aconteceu, quando o presidenciável chegou, só conseguiu trocar duas palavras com ele, saiu de lá aborrecido e não compareceu ao ato da avenida Santo Antônio. "Já fiz a minha parte", declarou ao sair do aeroporto.


O VICE

Já o vice Márcio Quirino, embora tenha sido eleitor de Romário Dias e de todo o grupo de Serra, colou em Lula o tempo todo. Esteve no aeroporto, no palanque da Avenida Santo Antônio e em Caetés. E aplaudiu com entusiasmo o petista o tempo.


IZAÍAS

O deputado eleito Izaías Régis garantiu não ter feito nada para impedir o encontro entre Lula e Silvino. O parlamentar disse que desautorizava qualquer correligionário seu a agir com "picuinha". Mas a verdade é que até o senador Carlos Wilson entrou no circuito para ofuscar o prefeito da cidade na visita do presidente eleito. Política é jogo duro.


VIVER

O prefeito Silvino Andrade lançou o projeto Viver Melhor, que por enquanto irá beneficiar apenas a classe média de Helópolis. Entrevistado no Jornal Marano, Silvino assegurou os dois anos restantes do seu mandato serão dedicados mais à periferia da cidade.


DISCURSO

Homenageado pela colunista Kitty Lopes, o prefeito de Caetés, Zé da Luz, fez um discurso político na Noite das Personalidades. Ele está de olho na disputa pela prefeitura de Garanhuns, mas seu pronunciamento soou deslocado entre os colunáveis.


RECLAMAÇÃO

Bastou Lula sinalizar que Cristóvão Buarque iria ser ministro para um grupo de professores de Caetés cercar o senador do PT. Ao provável ministro, falaram mal do prefeito Zé da Luz e pediram que fosse feita uma fiscalização pelo novo governo na aplicação das verbas da Educação.


ASSASSINATOS

Nos últimos tempos já foram cometidos vários assassinatos em Capoeiras, atingindo pessoas ainda jovens, como Silvio, Jailson e Salmo. Semana passada mesmo o comerciante Edésio, cunhado do empresário Claudino (Dudu), foi morto com cinco tiros, em plena luz do dia, no centro da cidade. O prefeito Nenen e outras autoridades políticas do município precisam se mobilizar contra essa onda de violência.


ASSASSINATOS II

Mas Capoeiras não é o município mais violento do Agreste. Águas Belas e Canhotinho, com uma população um pouco maior e São João, este último com menos moradores, em relação a Capoeiras, são mais barra pesada. As três juntas somaram 33 homicídios até o último dia 26 de novembro de 2002. Vamos ver se Jarbas no segundo governo consegue melhorar mais a área de segurança pública.


FOME

Lula emociona ao falar na fome e está certo em querer acabar com ela. Mas os problemas do Brasil não se resumem à falta de comida na mesa de 20 ou 50 milhões (os dados sobre o números de miseráveis são conflitantes) . O desemprego, o subemprego, a corrupção, a violência, os salários aviltados, a má qualidade da escola pública, as deficiências do sistema de saúde, as injustiças, as mordomias dos políticos, a volta da inflação. Tudo isso precisa ser combatido e não apenas a fome.


CONTRIBUIÇÃO

O meu amigo Marcel Nogueira, leitor atento da coluna, disse que está disposto a ajudar na caixinha para ajudar Raul Jungman a comprar uma casinha. É que o homem se elegeu deputado, está com dificuldade para pagar as contas e nem tem onde morar (imaginem vocês, o ex-ministro da Reforma Agrária é um sem teto). Eu também estou disposto a colaborar, afinal de contas é época de Natal, temos de ajudar o próximo.