GERAL

 

Prefeitos discutem como combater a seca

A estiagem voltou neste final de ano a castigar o Agreste de Pernambuco e na região de Garanhuns poucos são os municípios que não sofrem com a falta de chuvas. A situação é particularmente séria em cidades como Águas Belas, Bom Conselho, Venturosa, Capoeiras e Caetés. Nas duas últimas a barragem do Gurjão está vazia e os moradores dependem totalmente de carros-pipa para conseguir a água necessária às suas necessidades.

Por conta do agravamento da situação, o prefeito de Garanhuns, Silvino Andrade, atual presidente da Comissão de Desenvolvimento do Agreste Meridional, Codeam, convocou uma reunião de emergência esta semana. Durante o encontro, 15 prefeitos dessa área do Estado discutiram como enfrentar a questão da seca, decidindo atuar em bloco nas reivindicações junto ao governos Federal e Estadual.

QUEBRA-GALHO - O prefeito de Lajedo, Antônio João Dourado, disse por ocasião do encontro na Codeam que os carros-pipa são um mero "quebra galho", que em absoluto resolvem o problema da falta d'água. Segundo ele, os governos devem elaborar projetos hídricos que combatam efetivamente e de forma pernamente a estiagem. "Lajedo também sofre com a seca, principalmente a zona rural, que depende basicamente dos pipa", lamentou Antônio Dourado.

Um dos mais aflitos com a seca é o prefeito Albino Bezerra, de Venturosa, município localizado nas proximidades do Sertão do Arcoverde. "Lá o abastecimento é feito com três carros-pipa, que são insuficientes. Somente seis ou sete atenderiam a demanda", explicou Albino.

Também o prefeito de Terezinha, Esaú Gomes, reclamou da falta de alternativas para combater a estiagem. Segundo o dirigente da cidade vizinha, eu seu município têm sido construídas com recursos próprios pequenas barragens, porém só a construção de grandes reservatórios, com o apoio dos governos estadual e federal, poderiam resolver ou pelo menos minimizar a questão.

Os prefeitos de Bom Conselho e Angelim, Daniel Brasileiro e Marco Calado, que também estiveram na reunião da Codeam, igualmente se mostraram preocupados com a seca, que em maior ou menor grau atinge seus municípios.