COLUNAS

 

CORREIO CULTURAL

Carlos Janduy


Tecnologia: um desafio

Vejam só o que diz a especialista em Informática Educativa, Maristela Midlej Silva de Araújo, sobre o assunto:

"A visão de escola como espaço delimitado não harmoniza-se com as modernas tecnologias informacionais. A todo momento, as crianças e os jovens estão em contato permanente com os meios de comunicação de massa, ficando, portanto, bem mais informados que os próprios professores, tão absorvidos pelas tarefas profissionais.

O professor atual não é mais um informador: a informação vem do rádio, televisão, revistas, filmes, vídeos, computadores, jornais, etc. A notícia comentada está presente no nosso dia-a-dia. Não se admite mais este ambiente escolar feito para garantir um público submisso ao professor, sem se indagar se o professor é um ator que mereça atenção, e suas "aulas" são de interesse de seus ouvintes. Só agora percebe-se o absurdo de fazer com que todos os alunos aprendam as mesmas coisas. A aprendizagem padronizada estimula o isolamento, porque priva da necessidade de comunicação: não há possibilidade de trocas de experiências.
Interação pessoa-máquina - Hoje, as mudanças que estão ocorrendo exigem uma nova postura da escola, preocupada em formar pessoas ativas, capazes de viver no mundo da imagem e da informação, seres humanos hábeis para construir seus próprios conhecimentos, utilizando a linguagem audiovisual, como forma de desenvolvimento do espírito crítico e da capacidade de raciocinar.

Uma nova maneira de buscar o conhecimento, favorecida pela grande velocidade com que estão surgindo os meios de comunicação, a evolução e o convívio com a informática, presente em todos os setores da nossa sociedade, fizeram gerar uma socialização das informações e uma nova interação humana, homem-máquina, partindo de uma forma diferente de refletir e de transmitir conhecimentos. Indivíduos e técnicas não são mais meios, mas verdadeiros sujeitos para o pensamento.
Formação Integral - O contexto cultural do mundo audiovisual atual nos leva a integrar razão, emoção e imaginário. O processo educativo deve combinar estes três elementos, no sentido de mobilização voltada para a formação integrada do indivíduo. Através do prazer de ver, ouvir e expressar seu ponto de vista, oferecido por esses recursos, deve-se tentar resgatar o contato afetivo entre professores e alunos.

Mas, para que a escola esteja inserida neste contexto é necessário uma mudança no fazer escolar: formação de professores e abertura nos currículos, deixando espaço para que a educação informal, voltada para a formação crítica dos indivíduos, supere a educação formal, o saber sistematizado, linear, distante da realidade do aluno, oferecido pelas escolas tradicionais".


Atividade Física

"A vida moderna tem vantagens e desvantagens que podem levar as crianças, adolescentes e adultos a se tornarem inativos. Automóvel, computador, televisor, telefones, CD podem ser excelentes instrumentos para locomoção, comunicação, educação e lazer. No entanto, toda essa tecnologia também contribui para o atual estilo de vida: sedentarismo, alimentação inadequada e hábitos nocivos". Na próxima edição, publicaremos um artigo de Ana Carolina Vimieiro e Christiano Antônio Machado, mestrandos em Educação Física, sobre atividade física e seus benefícios para a saúde. Vale à pena conferir.


Lançamento

Graças aos apoios recebidos, o projeto (CD) "Um Encontro de Vozes com a Música de Carlos Janduy" - Volumes 1 e 2, estará sendo lançado no dia 03 de outubro próximo, às 20 horas, no Salão de Atividades do SESC-Garanhuns. São 33 intérpretes, que me deram a alegria de tê-los cantando neste disco, músicas minhas e em parceria. A produção musical ficou por conta do grande instrumentista e arranjador Roberto Lima, que tem realizado muitos trabalhos fonográficos para toda a região, no seu Digital Home Studio.

A idéia de fazer este registro musical, povoava minha mente desde o II Festival de Inverno de Garanhuns. Sonhava eu com uma "vitrine" que mostrasse o talento dos nossos músicos e cantores, através das "inspirações" que sempre ousei musicar. É claro que em apenas dois discos não poderíamos fazer um encontro de todas as vozes de Garanhuns, mas fico bastante tranqüilo por saber que o óbvio dispensa explicações e que este projeto é uma prova concreta de que é possível realizar um trabalho dessa natureza, em nossa cidade, cujo próposito primordial é fazer arte, contribuir com nossa cultura e, elevar cada vez mais o nome de Garanhuns.

Meus sinceros agradecimentos a todos que generosamente participaram deste projeto tão simples, mas tão valorizado por quem sabe o quanto foi difícil realizá-lo.