POLÍTICA

 

Campanha política gera empregos temporários

Dezenas de 'empregos' temporários surgiram em Garanhuns com a campanha política deste ano. Somente os candidatos Izaías Régis, do PSB, e Aurora Cristina, do PMDB, têm hoje cerca de 235 pessoas trabalhando, recebendo em média R$ 30,00 por semana. Esses militantes remunerados fazem visitas porta-a-porta, acompanham as caminhadas, seguram bandeiras e distribuem planfletos dos seus candidatos.

A maioria dos militantes ouvidos pelo repórter Tiago Correia, do Jornal Marano e Correio Sete Colinas, confessou gostar da atividade política, embora homens e mulheres admitam estar recebendo ajuda financeira dos comitês de campanha. "Nós atuamos com amor a causa", disse Márcio Pedrosa, 24 anos, da campanha de Aurora Cristina, que recebe R$ 25,00 por semana para fazer a militância.

A desempregada Maria Margarida, 45, declarou ser partidária do PMDB e por isso escolheu fazer o trabalho em defesa da candidatura de Aurora. Recebe a remuneração paga pelo coordenador da campanha, sabe que o emprego é temporário, mas não perde a esperança de ter algo mais seguro no futuro. "Quem sabe eu arranjo um trabalhozinho com Cristina se ela se eleger", imagina Margarida.

Éverton Vinicius, 22 anos, militante de Izaías Régis ganha R$ 30,00 por semana para fazer o proselitismo do candidato e demonstra entusiasmo com a atividade. "Está sendo um trabalho fácil porque a aceitação dele é muito grande, principalmente pelo povão", afirmou o jovem, possivelmente com o discurso instruído pela coordenação.

Experiente em campanha políticas, o coordenador da campanha de Aurora Cristina à Assembléia, Rafael Pereira Lima, procura orientar os militantes da candidata, para que estes saibam levar a mensagem ao eleitor. "O trabalho deles é apenas um bico", classifica Rafael, recusando a tese de "emprego temporário".

Já o coordenador de Izaías Régis, Alfredo Góis admitiu que os militantes do PSB recebem treinamento especializado, sendo ensinados principalmente a respeitar o eleitor. O sindicalista Méviton Araújo, do diretório do PT em Garanhuns, considera um abusurdo a militância remunerada e acha que tanto Cristina quanto Izaías estão "abusando do poder econômico".