GERAL

 

Polícia invetiga morte de kombeiro

O Delegado da 1ª DP de Garanhuns, José Roberto, ainda não chegou a conclusão se foi acidente ou suicídio a morte do kombeiro Paulo Sérgio Moraes Bernardo, 33 anos, ocorrida na tarde da "sexta feira santa". O possível acidente aconteceu quando a Kombi dirigida por Paulo, de placa não informada, desenvolvendo alta velocidade saiu da pista e caiu em um açude, nas proximidades da Churrascaria da Paz. Nesse momento Paulo e sua filha, Paula de Cássia, foram arremessados para fora do veículo. Paulo teve morte instantânea, e Paula de Cássia só consegui sobreviver porque sabia nadar.

De acordo com o delegado, só depois de ouvir familiares e as outras vítimas que estavam com Paulo Sérgio é que as causas podem ser conhecidas. "Paulo tinha bebido bastante e afirmava que queria se matar. Então, é provável que tenha sido suicídio", revela.

Segundo apurou a polícia, no dia da tragédia, Paulo saiu de um bar, próximo a Rádio Sete Colinas, bairro da Boa Vista, passou na casa de sua ex- mulher, pegou a filha, Paula de Cássia Lima Moraes, 6, e foi em direção a Br 423, quando no caminho deu carona aos amigos Erinaldo Kadete de Oliveira, 32, Dorgival Barbosa da Silva, 40, e o motoboy Wellington Prereira Júnior, 29,. Todos os outros ocupantes, assim que entraram no veículo e perceberam o descontrole do amigo, pediram para descer, mas Paulo não atendeu; logo após o carro perdeu o equilíbrio na pista caiu no açude. O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas só conseguiram retirar o corpo do kombeiro do açude no dia seguinte. As outras vítimas sofreram algumas lesões e foram socorridas ao Hospital Regional Dom Moura, medicadas e liberados em seguida. Horas depois após saber da morte do marido (Paulo), a auxiliar de enfermagem Marileide Alves de Souza (Mara), 32, se suicidou com dois tiros na cabeça. (NK)

TIROTEIRO E MORTE EM GARANHUNS A violência vem crescendo mais e mais neste município. Desta vez foi um tiroteio na noite do último domingo, na Avenida Duque de Caxias, Heliopólis, que resultou na morte do vendedor Cícero José da Silva, 33, residente na Rua Santa Rosa.. De acordo com a polícia o incidente aconteceu quando os soldados da ROCAM, Valmir Vaz a Adelson, ainda fardados, voltavam para suas residências, depois do término do serviço, quando ao passarem pela Duque de Caxias, viram dois homens saindo do "Bar do Chico" com a arma na mão. Os soldados pararam o veículo e deram voz de prisão aos mesmos, que reagiram, efetuando vários disparos contra os policiais, que rolaram pelo chão para não serem atingidos.

Nesse momento guarnições da PM foram chamadas para fazerem busca e diligencias pela redondeza, já que os acusados correram pelas ruas adjacentes. Uma ligação anônima informou que "eles" teriam invadido o quintal de uma residência. Logo que policiais chegaram e deram novamente voz de prisão, iniciou-se mais um tiroteio culminando na morte de Cícero, que mesmo sendo socorrido ao Hospital Dom Moura não resistiu aos ferimentos. O segundo acusado ainda não foi identificado e tomou destino ignorado. A policia aprendeu uma pistola Taurus calibre 765. O caso está sendo investigado pelo delegado Jorge Cordeiro, da 2ª DP de Garanhuns. (NK)